MESAS REDONDAS


MR01. Título: Para além dos artigos científicos: o papel das redes sociais na comunicação e divulgação científica

Participantes: Daniel da Silva Ferraz, Tainara Venturini Sobroza, Luis Paulo Ferraz, Júlio César Bicca-Marques

Resumo: Comunicação científica (CC) é essencial para compartilhar o conhecimento em diversas áreas da ciência. Em 20 anos a CC mudou consideravelmente. O recente surgimento e diversificação das redes sociais tem proporcionado uma ferramenta efetiva na divulgação científica, levando conhecimento gratuito a uma ampla audiência que dificilmente é atingida pelas formas tradicionais de publicação científica. Demonstramos aqui os sucessos, desafios e as estratégias adotadas por diversos projetos de pesquisa para conectar o público à importância da conservação dos primatas, através das redes sociais.

 

MR02. Título: O que o DNA silencioso tem a nos dizer a respeito de Sapajus?

Participantes: Denise Monnerat Nogueira, Mariela Nieves, Diego Mattos Penedo

Resumo: Nesta mesa redonda visamos apresentar dados recentes obtidos em parceria entre pesquisadores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Universidade de Buenos Aires e discutir sobre a presença de heterocromatina extra-centromérica no genoma dos macacos-prego. Evidenciamos o polimorfismo de heterocromatina intraespecífico em populações de Sapajus nigritus do Brasil e da Argentina, reavaliamos o cariótipo de Sapajus xanthosternos e caracterizamos citogeneticamente S. flavius comparando com S. xanthosternos e S. libidinosus.

 

MR03. Título: Novas abordagens metodológicas em primatologia e em conservação da biodiversidade

Participantes: Fabiano Rodrigues de Melo, Andre Monnerat Lanna, André Alonso, Ana E.B. de Alencar

Resumo: Novas abordagens metodológicas são sempre bem-vindas, especialmente quando é possível, a partir de técnicas tradicionais, elaborar métodos mais específicos e eficazes na busca por resoluções de problemas. Câmeras fotográficas têm se mostrado muito eficiente na busca por novos dados em dossel, incluindo dados importantes sobre primatas florestais. Técnicas de censos tradicionais vêm sendo substituídas por outras mais modernas e eficazes, como censo com playback, além da recente utilização de drones para inventário e monitoramento de primatas. Aqui, iremos debater sobre as novas metodologias e sobre o uso aperfeiçoado de técnicas tradicionais, unindo inovação tecnológica, novas abordagens e conservação de primatas brasileiros.

 

MR04. Título: Reduzindo impactos em estudos taxonômicos em primatas

Participantes: Leandro Jerusalinsky, Anthony Di Fiore, Júlio César Bicca-Marques, Anthony Brome Rylands

Resumo: Estudos taxonômicos tradicionalmente envolvem coleta de espécimes e depósito em coleções para posteriores análises morfológicas. Em primatas, têm sido particularmente importantes as análises sobre os padrões de coloração da pelagem para identificação de variações com significado taxonômico. Entretanto, tais coletas geram impactos às populações pela retirada de indivíduos. Esta mesa redonda propõe discutir prioridades para estudos taxonômicos que requeiram coletas e abordagens alternativas para tais estudos, além de debater diretrizes de boas práticas e para autorização de coletas científicas.

 

MR05. Título: Infecções e Doenças de primatas no contexto de saúde única e da Conservação

Participantes: Alcides Pissinatti, André Felipe Andrade dos Santos, Alessandro Pecego Martins Romano, Natalia Coelho Couto de Azevedo Fernandes

Resumo: Os primatas não-humanos desempenham importantes funções nos ecossistemas e ao estabelecerem variadas inter-relações com os demais seres vivos e o meio abiótico podem naturalmente carrear agentes de doenças que em determinadas condições causam impactos significativos agentes de doenças que em determinadas condições causam impactos significativos em suas próprias populações e até para os seres humanos. Desse modo ao apresentar para a discussão uma mesa redonda na qual a temática de doenças nesses animais seja a mais variada, desejamos chamar a atenção para desenvolvermos uma capacidade de avaliação do ambiente dos pontos de vista correto de uma única saúde.

 

MR06. Título: Fontes alternativas de financiamento para a ciência

Participantes: Francisco Edvaldo de Oliveira Terceiro, Karen Barbara Strier, Patrícia Izar, Fabiano Rodrigues de Melo

Resumo: A obtenção de recursos para uma pesquisa científica é condição sine qua non para a sua realização. Historicamente, a principal fonte para obtenção de financiamento foram institutos estatais de fomento à pesquisa. Esta realidade vem mudando tanto a nível nacional quanto internacional. Dentro deste contexto, a nossa comunidade científica não passa incólume a estas mudanças. Esta mesa redonda visa reunir diversas experiências no processo de obtenção de recursos financeiros, possibilitando que a comunidade científica conheça as opções disponíveis e possa navegar este processo com eficiência.

 

MR07. Título: Publicando a primatologia brasileira em periódicos internacionais – 2ª edição

Participantes: Anthony B. Rylands, Patrícia Izar, Jessica Lynch Alfaro, Júlio César Bicca-Marques, Karen Strier

Resumo: No XVII Congresso Brasileiro de Primatologia, organizamos uma mesa redonda para estimular e orientar os primatólogos brasileiros a publicar internacionalmente, a partir de um debate com primatólogos de reconhecida atuação em editoria e revisão de periódicos e livros internacionais. Seguindo a discussão ali iniciada, e a repercussão positiva, propomos retomar o tema. Nesta segunda edição, além de abordarmos técnicas para elaboração e escrita de um manuscrito, incluindo a escolha do periódico, o conteúdo da carta ao editor, as normas de formatação, o conteúdo que deve ser contemplado em cada seção do manuscrito, o uso correto da língua inglesa e a qualidade de figuras e tabelas, vamos também discutir como lidar com políticas de publicação que desfavorecem países com menor renda.

 

MR08. Título: Primatólogo se nasce ou se faz? Caminhos para a formação de primatólogos no Brasil

Participantes: Romari Alejandra Martinez Montano, Maurício Gomes Talebi, Fabiano Rodrigues de Melo, Leandro Jerusalinsky

Resumo: Na década 2009-2019, foram realizadas seis edições do Curso Brasileiro de Primatologia (CBPrim), bem como outras iniciativas no âmbito acadêmico ou fora dele. Esta mesa redonda pretende discutir o trabalho dessa década, articulado a outras opções para a capacitação de primatólogos e o destino desses jovens pesquisadores. Podemos dizer que “formamos” primatólogos?

 

MR09. Título: Caça: desafios para a conservação de primatas

Participantes: Renata Bocorny de Azevedo, Raone Beltrão-Mendes, João Valsecchi do Amaral, Armando Muniz Calouro

Resumo: O Brasil é detentor da maior diversidade de primatas do planeta, com mais de 130 táxons, dos quais 35 estão ameaçados de extinção. As principais ameaças a esse grupo são a perda, fragmentação e degradação dos habitats, a caça e a introdução de espécies invasoras. O efeito da caça sobre os primatas, considerando as diferentes abordagens e peculiaridades regionais, é ainda pouco compreendido. Sendo assim, diagnosticar os impactos e propor estratégias para minimizar os efeitos desta ameaça sobre os primatas é fundamental para a conservação deste grupo.